08/03/2011

03-03

Quando meu cliente ainda adolescente ia sair à noite seu pai lhe dizia “juízo” e a mãe lhe dizia que ele estava protegido pelo manto de Nossa Senhora. A recomendação do pai o levava a se cuidar e em momentos em que podia se colocar em perigo a palavra “juízo” vinha à sua mente. A atitude materna, todavia, poderia levá-lo a se sentir sobrenaturalmente protegido e ficar pouco alerta e portanto predisposto a correr riscos e se colocar em situações perigosas. Há alguma dúvida sobre o que é melhor recomendar para um adolescente saindo de casa?

2 comentários:

Ana Karina de Montreuil disse...

Ah os adolescentes...
Meu problema não é o que eu digo quando ela sai de casa e sim o que falar na hora que volta rs

Sylvio do Amaral Schreiner disse...

Sem dúvida uma recomendação sensata é muito mais eficaz e útil do que apenas uma recomendação que se pretende sensata.